ANÁLISE DOS PROTOCOLOS CLÍNICOS DE ATENDIMENTO A PACIENTES DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) COM DIAGNÓSTICO DE ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA (APLV) DE UM MUNICÍPIO DE CADA MACRORREGIÃO DO BRASIL

Autores

  • Juliana Pinheiro Cantanhede
  • Aline Sobania Hiittener
  • Bráulio Nascimento Lima
  • Fernando Alípio Rollo Neto
  • Gabriel Pereira Tavares
  • Adryelle Delgado Viana
  • Klebson da Silva Almeida
  • Andreia Thaís Coradeli
  • Guanis de Barros Vilela Junior
  • Jhulie Rissato da Silva

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N1-11

Resumo

Introdução: A alergia à proteína do leite de vaca (APLV), vem sendo definida como uma reação adversa do sistema imune aos antígenos presentes neste tipo de alimento e é considerada como a alergia mais frequente em pediatria. O presente estudo visa debater em torno da seguinte questão norteadora: Os protocolos, programas e/ou normativas de APLV utilizados por um município de cada macrorregião do Brasil contemplam as recomendações que estão previstos pelo Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar (CBAA)? Objetivos: Apresentar os protocolos, programas e/ou normativas da alergia à proteína do leite de vaca de um município de cada macrorregião do Brasil conforme preconizado pelo CBAA. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, de caráter documental e de natureza exploratória descritiva. A análise de dados teve como material norteador o conteúdo do CBAA conforme isso foi realizado a leitura detalhada dos protocolos, programas e/ou normativas selecionados referente ao município escolhido das cinco regiões do Brasil. A partir disso foi desenvolvido uma tabela no Microsoft office Word® selecionando os pontos cruciais para a análise comparativa. Resultados e Discussão: Foram sete pontos analisados em relação ao teste de provocação oral (TPO), critérios de inclusão e exclusão, faixa etária, fórmulas ofertadas, tratamento ofertado e monitoramento do caso. Os resultados mostraram que não existe uma padronização na elaboração dos protocolos de APLV diante das três esferas de governo, devido a descentralização, um dos pontos característicos da Constituição Federal de 1988. Conclusão: Mostra-se necessário a padronização hierárquica na elaboração dos protocolos de acordo com que o CBAA preconiza para garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada aos indivíduos com necessidades especiais.

Downloads

Publicado

2024-02-01

Edição

Seção

Artigo Original