IMPLANTES ZIGOMÁTICOS: REVISÃO DE LITERATURA

Autores

  • Arthur Almada Lima
  • Vinicius Ribeiro Monteiro
  • Leandro Rodrigues de Sena
  • Nádia Maria Pires Silva
  • Nathan Felipe Ferreira de Souza
  • Damião Diogo Alves
  • Marcus Vinícius Carneiro Gomes
  • Danyelle Ingrid Costa dos Santos
  • Dayana Ester dos Santos Rodrigues
  • Watuzi Barbosa de Melo

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N1-30R

Resumo

A reabilitação de maxilas atróficas através de implantes zigomáticos apresenta se como uma técnica que não necessita de enxerto ósseo, sendo mais económica e apresentando menos fases cirúrgicas e um menor tempo de tratamento quando comparada com outras técnicas utilizadas nestes casos. Modificações à técnica original de Branemark foram introduzidas ao longo dos últimos anos, sendo cada técnica utilizada atualmente de acordo com condicionantes criadas pela anatomia do paciente. Devem ser consideradas complicações inerentes à reabilitação com implantes zigomáticos, como tem sido evidente em diversos estudos clínicos. No entanto, os resultados de taxas de sobrevivência a curto prazo têm se revelado promissores, sendo necessária a realização de mais estudos que comprovem o seu sucesso a longo prazo.

Downloads

Publicado

2024-03-01

Edição

Seção

Artigo de Revisão