A EVOLUÇÃO DA CIRURGIA DE VIDEOLAPAROSCOPIA NO TRATAMENTO DE HÉRNIAS INGUINAIS

Autores

  • Maria das Graças Gazel de Souza
  • Marluce Santos de Alípio Rodrigues
  • João Vitor de Queiroz Forin
  • Gheovana Barbosa Duarte Machado
  • Francisco Randerson Ribeiro de Sousa Guedes
  • Giovanna Palmeira Gonçalves
  • Breno Willams Wanderley Bezerra
  • Pedro Alves de Sousa
  • Lucas Nasciutti Curado
  • Thyciara Kristine da Costa Passos
  • Ana Paula Guimarães Sá
  • Aurito Lopes Murta Júnior
  • Lanna Gabriela Oliveira Assunção
  • Rebecah de Oliveira Felizardo

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N2-28R

Resumo

Objetivo: Apresentar estratégias de manejo para evitar a reincidência de hérnias abdominais e inguinais. Revisão da literatura: As hérnias abdominais ocorrem quando vísceras ou órgãos se projetam através de pontos fracos na parede abdominal, podendo ser temporárias ou permanentes, adquiridas ou congênitas. Enquanto as hérnias inguinais são resultado do enfraquecimento do canal peritoneovaginal ou do triângulo de Hasselbach. Diversos fatores contribuem para o desenvolvimento dessas hérnias, e a possibilidade de reincidência depende das características individuais de cada paciente e do tratamento adotado. Em geral, as hérnias abdominais têm uma taxa maior de reincidência do que as hérnias inguinais, especialmente quando tecido do próprio paciente é usado para reparar a parede enfraquecida. A complicação mais comum é a dor crônica após a cirurgia, que pode resultar em limitação funcional e afetar o bem-estar do paciente. O tratamento para hérnias recidivadas é cirúrgico, com destaque para a importância da técnica cirúrgica adequada e a utilização de tela de polipropileno tanto em cirurgias convencionais quanto em procedimentos videolaparoscópicos. Considerações finais: A prevenção é essencial em todos os casos, com cuidados pré, intra e pós-operatórios visando reduzir os riscos de complicações e recidivas, proporcionando uma melhor qualidade de vida aos pacientes.

Downloads

Publicado

2024-04-01

Edição

Seção

Artigo de Revisão