IMPACTOS DA PANDEMIA DA COVID-19 ENTRE IDOSOS RESIDENTES NO BRASIL: COMPORTAMENTO ALIMENTAR, MODO DE COMPRAR ALIMENTOS E ESTADO EMOCIONAL

Autores

  • Jéssica Borges Oliveira Universidade Federal Fluminense
  • Juliana Arruda de Souza Monnerat Universidade Federal Fluminense
  • Pedro Ribeiro de Souza Universidade Federal Fluminense
  • Aline Davila Pereira Universidade Federal Fluminense e Univassouras campus Maricá
  • Gabrielle de Souza Rocha Programa de pós-graduação em Ciências Cardiovasculares / UFF e Programa de pós-graduação em Saúde e Biodiversidade / UFRR.
  • Renata Frauches Medeiros Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N2-37

Resumo

INTRODUÇÃO: A pandemia de COVID-19 (Coronavírus disease 2019) e o consequente período de isolamento social pode ter desencadeado alterações nos hábitos alimentares, no modo de aquisição dos gêneros alimentícios e nas percepções dos sentimentos, especialmente na população de idosos, que constituem um grupo de risco. OBJETIVO: Identificar o impacto da pandemia da COVID-19 nos hábitos alimentares, no modo de aquisição dos gêneros alimentícios e nos sentimentos envolvidos com o isolamento social em idosos brasileiros com acesso a internet.  MÉTODOS: Estudo aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF/UFF)​​ sob nº 33370720.3.0000.5626, observacional, de corte transversal, com idosos (maiores de 60 anos) brasileiros, que participaram do estudo respondendo a um questionário online, com perguntas sobre seus hábitos alimentares e possíveis mudanças de rotina decorrentes da pandemia no período de julho/2020 a maio/2021. Os dados foram analisados no software IBM SPSS Statistics 20 e foi considerado um nível de significância de 5% (p<0,05). RESULTADOS: Obteve-se 506 respostas com predominância do sexo feminino (72,9%; n=369), provenientes de todas as regiões do Brasil. Em relação ao isolamento social, 81,8% (n=414) dos participantes declararam que cumpriram esta medida. Ao analisar os dados sobre o modo de comprar alimentos, os idosos relataram que houve uma diminuição de 65,3% (n=333) nas idas presenciais a feiras e mercados, um aumento de 41,5% (n=210) no uso de delivery para realização das compras e 29,4% (n=149) dos participantes relataram aumentar a dependência de terceiros para a realização de suas compras. E no que se refere à organização das compras desses gêneros, as pessoas que recebiam entre 8 e 10 salários mínimos relataram um aumento (47,5%; n=29) na prática de estocar alimentos. Já no que se refere ao padrão alimentar dessa população, 62,6% (n= 317) negaram alteração para os principais grupos alimentares, tanto homens quanto mulheres. O último item analisado foi o estado emocional dos participantes durante o período de isolamento social, em que foi mais evidente os sentimentos de ansiedade (62,5%; n= 316) e medo (51%; n=258). O sexo e a renda familiar não implicaram mudança significativa nos sentimentos experimentados pelos idosos. CONCLUSÃO: Os idosos aumentaram o uso de delivery para a aquisição de insumos alimentícios assim como na dependência de terceiros para a realização de suas compras como alternativa às idas presenciais a feiras e supermercados. Em relação aos hábitos de organização, os indivíduos com maior poder aquisitivo aumentaram a prática de estocar alimentos. Em relação às emoções sentidas durante esse período de pandemia, prevaleceu entre as respostas, os sentimentos de ansiedade e medo em relação ao cenário inesperado.

Biografia do Autor

  • Jéssica Borges Oliveira, Universidade Federal Fluminense

    Pós graduada em Nutrição Clínica com ênfase em oncologia pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Ciências da Nutrição pela Universidade Federal Fluminense.

  • Juliana Arruda de Souza Monnerat, Universidade Federal Fluminense

    Especialista em Nutrição Funcional, Mestre em Ciências Cardiovasculares

  • Pedro Ribeiro de Souza, Universidade Federal Fluminense

    Mestrando em Ciências Cardiovasculares. Pós graduado em Terapia Intenstiva. Pós graduado em Nutrição Clínica

  • Aline Davila Pereira, Universidade Federal Fluminense e Univassouras campus Maricá

    Doutorado 

  • Gabrielle de Souza Rocha, Programa de pós-graduação em Ciências Cardiovasculares / UFF e Programa de pós-graduação em Saúde e Biodiversidade / UFRR.

    Doutorado. Programa de pós-graduação em Ciências Cardiovasculares / UFF e Programa de pós-graduação em Saúde e Biodiversidade / UFRR.

  • Renata Frauches Medeiros, Universidade Federal Fluminense

    Doutorado. Grupo de Estudo em Alimentação e Nutrição, Departamento de Nutrição e Dietética, Universidade Federal Fluminense. Laboratório de Nutrição e Metabolismo, Departamento de Nutrição e Dietética, Universidade Federal Fluminense.

Downloads

Publicado

2024-05-30

Edição

Seção

Artigo Original