USO DO ELETROCARDIOGRAMA NA DETECÇÃO PRECOCE DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Autores

  • Samuel Najjar Abramo Veiga

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N2-38R

Resumo

O infarto do miocárdio, popularmente conhecido como ataque cardíaco, é uma das principais causas de óbito em nações desenvolvidas. Devido ao aumento na sua ocorrência, tornou-se uma questão de saúde pública de extrema importância nos dias atuais. O diagnóstico é realizado a partir de pelo menos dois dos seguintes elementos: sintomas específicos, alterações no eletrocardiograma (ECG) e elevação nos níveis de enzimas cardíacas no sangue, que atuam como marcadores bioquímicos do problema. Os biomarcadores desempenham um papel crucial na identificação e previsão do prognóstico de pacientes com suspeita de infarto do miocárdio, sendo que, atualmente, as troponinas cardíacas são os biomarcadores mais indicados para essa finalidade. Contudo, outros marcadores relevantes estão sendo empregados e avanços nas pesquisas prometem aprimorar os desfechos relacionados ao infarto do miocárdio. Esta análise busca discutir a aplicação dos novos biomarcadores cardíacos no diagnóstico do infarto do miocárdio, compará-los e apresentar as novas descobertas obtidas a partir de estudos já existentes.Através da análise das ondas elétricas do coração, o ECG fornece informações cruciais sobre a localização e a extensão do dano muscular cardíaco causado pela obstrução do fluxo sanguíneo coronário.

Downloads

Publicado

2024-04-01

Edição

Seção

Artigo de Revisão