INTEGRAÇÃO DO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR COM A MEDICINA DA FAMÍLIA: IMPACTOS NOS DESFECHOS DE TRAUMAS E INDICAÇÕES CIRÚRGICAS EM ÁREAS RURAIS

Autores

  • João Pedro do Valle Varela
  • Graziella Viana da Silva
  • Dirlei Sandra Carneiro
  • Thomas Henrique de Melo Almeida
  • Rafael Hubner Andrade

DOI:

https://doi.org/10.36692/V16N2-70R

Resumo

A integração entre o atendimento pré-hospitalar (APH) e a medicina da família é essencial para melhorar os desfechos de traumas e indicações cirúrgicas, especialmente em áreas rurais. A carência de recursos médicos e a distância dos centros especializados tornam essa colaboração crucial para garantir um atendimento rápido e eficaz, reduzindo a mortalidade e as sequelas associadas a traumas graves. Este estudo visa analisar os impactos da integração entre o atendimento pré-hospitalar e a medicina da família nos desfechos de traumas e nas indicações cirúrgicas em áreas rurais. Além disso, busca identificar as melhores práticas e estratégias para otimizar essa colaboração e melhorar a qualidade do atendimento médico em regiões afastadas. Trata-se de uma revisão bibliográfica qualitativa sobre os impactos e desafios dos serviços médicos de emergência e cuidados de trauma em áreas urbanas e rurais. As bases de dados utilizadas incluem PubMed, SciELO e LILACS. Para o refinamento da pesquisa, foram utilizados os descritores em saúde “serviços médicos de emergência”, “trauma”, e “ruralidade”, com um recorte temporal entre os anos de 2009 e 2021. Os critérios de inclusão e exclusão foram estabelecidos para garantir a relevância e a qualidade dos estudos analisados. A integração do APH com a medicina da família envolve uma coordenação eficiente entre os serviços de emergência e as equipes de saúde comunitária. Em áreas rurais, onde os recursos médicos são escassos, essa integração pode ser determinante para a sobrevivência e recuperação dos pacientes. As equipes de APH, treinadas para lidar com situações de emergência, desempenham um papel fundamental na estabilização inicial dos pacientes traumatizados. A rápida avaliação e intervenção no local do acidente são cruciais para reduzir o tempo até o tratamento definitivo. A comunicação direta com as equipes de medicina da família permite uma continuidade do cuidado, garantindo que os pacientes recebam o acompanhamento necessário após a estabilização inicial. A medicina da família, por sua vez, oferece uma visão abrangente e contínua do paciente, conhecendo seu histórico médico e as condições de saúde prévias. Isso é particularmente importante em áreas rurais, onde os médicos de família muitas vezes são os principais provedores de saúde. Com isso, a colaboração entre esses profissionais e as equipes de APH facilita a tomada de decisões clínicas mais informadas, incluindo a indicação para procedimentos cirúrgicos quando necessário. Estudos demonstram que a integração entre o APH e a medicina da família resulta em melhores desfechos para os pacientes. Há uma redução na mortalidade e nas complicações pós-trauma, além de um aumento na satisfação dos pacientes com o atendimento recebido. A capacitação contínua das equipes de saúde e a implementação de protocolos específicos para a gestão de traumas em áreas rurais são estratégias essenciais para otimizar essa integração. Em conclusão, a integração do atendimento pré-hospitalar com a medicina da família em áreas rurais apresenta benefícios significativos para os desfechos de traumas e indicações cirúrgicas. A colaboração eficaz entre esses serviços de saúde é crucial para garantir um atendimento rápido e contínuo, reduzindo a mortalidade e as complicações associadas aos traumas. A implementação de estratégias e protocolos específicos, bem como a capacitação das equipes de saúde, são fundamentais para aprimorar essa integração e melhorar a qualidade do atendimento médico nas regiões rurais.

Downloads

Publicado

2024-04-01

Edição

Seção

Artigo de Revisão